26.8.06

Circuladô de Fulô - Fnac - 25/08/06

Circuladô

Sete horas em ponto a fila que há muito já se formava na entrada lateral direita da Fnac foi liberada. Adolescentes chegavam ao lugar em frente ao palco rindo, conversando; uma leveza interessante. Mal entravam já começavam a fazer festa, bater palmas. O show começou ali.

Pouco tempo depois entrou em cena o Circuladô de Fulô. A banda, composta por cinco integrantes, chegou e logo tocou a primeira música, Águas Mansas. O olhar de deslumbramento do vocalista André, que tinha estampado no rosto um sorriso meio tímido, era interessante. No palco, a banda se divertia como o público se divertira a pouco.

A música é bem tocada. Todos cantam, e o vocal principal não exagera nos agudos nem tenta inventar caras e bocas. É simples e direto. O som mistura um violão pop, guitarra, percussão e sanfona, tudo em estilo forró – universitário.

Com versões de músicas conhecidas como Magamalabares, o pequeno espaço da Fnac teve de ser pista de dança. As pessoas, mesmo esmagadas, arranjavam um jeito de abraçar um amigo e ensaiar alguns passos. Difícil dançar, mas muito difícil não dançar também.

Na terceira música, André parou:

- Então, a galera que tá aqui na frente tá beleza, né? Todo mundo vendo a gente, e coisa e tal! (comemorações efusivas do pessoal da frente) Então, mas quem tá no fundo não tá vendo nada. Vamos fazer assim: a gente levanta e todo mundo pode ver a banda, que tal? (comemorações efusivas de toda platéia)

Pegos meio que de surpresa, o outros integrantes da banda começaram a se levantar e a reajustar os microfones. Daí pra frente, o show tomou outro pique: de pocket, passou para mega show de pequenas proporções, numa apresentação que durou cerca de uma hora e meia.

Apesar do péssimo som da casa – abafado, confuso – a apresentação seguiu livremente. “O que importa é que a galera goste. Eles curtindo, a gente curte”, me disse o percussionista Gustavo depois do show. Para ele, não há diferença alguma entre tocar para aquelas cem pessoas na Fnac ou para milhares num carnaval.

E, por sinal, carnaval tomou grande parte do repertório. Uma saidera que durou metade do show teve músicas de carnaval de A a Z. Começou leve e foi turbinando; passou por Ivete Sangalo, Chiclete com Banana e caiu em... Xuxa! Isso mesmo, o Ilariê que povoou o imaginário infantil de muitos de nós. Como grand finale, Balão Mágico – “sou feliz, por isso estou aqui”.

Nota – 8,5

Custos
Café – R$ 0,80
Transporte (nada, fui e voltei a pé)
Total – R$ 0,80
Banda
Eduzinho (guitarra), Junior (triângulo e percussão), Juscelino (sanfona), André (voz e violão) e Gustavo (foto ao lado - zabumba)

Set List – (não estão em ordem)
Águas Mansas – Sol, a Lis e o Beija-Flor – Magamalabares – Olha pra mim – Sonho lindo – Nosso amor é lindo – Esperando você, Linda menina – Medley (1. Levitar – 2.Bola de sabão – 3.Pescador de ilusões – 4.Ê saudade – 5.Casamento não – 6.Quero Chiclete – 7.Empurra o tempo todo – 8.Ilariê – 9.Tindolelê – 10.Superfantástico

3 comentários:

Garfield/Alessandro disse...

Sem ofensa ao outro texto logo abaixo do Reggae, mas é assim que se faz um bom texto sobre uma banda/show...
Integrantes, set list, até uma micro entrevistinha...
Espetacular, rapaz...

^^ Graci Fulô ^^ disse...

Parabéns !!!!

A matéria explica d uma maneira muito simples tudo o q eu tava tentando explicar pra quem não foi !!!

Cada pedacinho q eu ia lendo, ia relembrando das diferentes situações... impossivel não rolar pelo menos um sorriso por cada uma...

Finalizo deixando mais uma vez meus mais sinceros parabéns !!!

Beijos da fanzoca figurinha carimbada !!!!

Diego disse...

Vixiii esses caras aii são além de bonss músicos, grandes pessoas!! 100%humildade.... eduzinho principalmente ....ABraçosss

Diego-BAnda FUrnikera