12.10.06

Um indeterminado - CCBB - 11/10/2006

Novas riquezas contemporâneas

Um novo espaço artístico foi aberto ao público no Centro cultural Banco do Brasil: onde antes existia um cofre da agência, no subsolo do banco, agora são expostas obras experimentais contemporâneas. E esse é o caso da exposição do fotógrafo contemporâneo Eduardo Fraipont. Através de uma exploração das luzes e dos movimentos humanos, o autor busca novos conceitos dentro da arte visual. Após concorrer com 250 projetos diferentes, “um indeterminado” foi um dos oito escolhidos pela curadoria do CCBB para o aproveitamento desse novo espaço para a arte.

O corredor, onde estão os quadros, é um círculo não muito grande, escuro e com uma sala no meio. Enquanto eu estava lá, todo este espaço havia sido tomado por crianças curiosas que se divertiam com as inusitadas fotos de Eduardo. Em paisagens escuras, com grande destaque ao céu e ao mar, apenas uma personagem exótica preenchia aquele espaço: é o próprio autor em posições distorcidas através de diversas técnicas fotográficas.

Com efeitos diversos, Fraipont estica seus próprios braços, pernas e pescoço. Utilizando-se de si próprio como único modelo ele permite diversas leituras a um mesmo quadro, representando sentimentos através de cores reais e profundas. A sensação, muitas vezes, é que podemos entrar naquela paisagem tão deserta e irreal. Porém, a repetição de temas, cores, idéias e ambientes causa um certo cansaço. A falta de evolução nos quadros é nítida, o que cansa os admiradores ali presentes.

Após completar a volta no círculo ao redor do antigo cofre, é possível entrar na sala posicionada no meio do corredor e interagir com os quadros: agora imantados, escolhemos livremente a posição de todas aquelas fotografias. Deste modo, cada um pode criar jogos visuais com a luminosidade de cada obra. E a diversão das crianças presentes era evidente. Elas tentavam fazer a própria arte através dos belos retratos já apresentados.

Curioso era buscar o significado naqueles retratos que, à primeira vista, pareciam sem sentido algum. Um verdadeiro jogo de idéias pode ser produzido com um pouco mais de imaginação e liberdade. E a mensagem final, que resume sinceramente a exposição, fica na frase de uma das crianças que interagiam com os quadros imantados: “É estranho. Mas é legal porque é diferente!”

Custos:
Transporte – R$ 0,00 (ida e volta a pé)
Total – R$ 0,00

Nota – 8,5

por Allan Brito

Um comentário:

françoise disse...

esta história de cofre é a mais pura verdade. eu já vi. era um grande e robusto cofre mesmo.
o CCBB é lindo demais, né?
adoro a fachada e olhar de baixo pra cima, aquela redoma linda.
boa dica!:>)