29.7.06

Chico dos Bonecos – Sesc Vila Mariana – 29/07/06

O mundo invisível de Chico


Faltavam ainda quinze minutos para a apresentação de Chico dos Bonecos e duas grandes fileiras de bancos já estavam tomadas no espaço aberto em frente à lanchonete do Sesc Vila Mariana. Para as crianças, foram colocados tapetes coloridos em frente ao palco, e um verdadeiro enxame de pequenos invadiu o espaço.

Dez minutos antes da hora marcada para a apresentação, 16:30, a platéia impaciente entoava gritos de “começa!”. As crianças reforçavam o coro, mas quem realmente puxava os pedidos eram os pais e avós da fileira esquerda. Para acalmar o público, Chico sentou-se em frente aos tapetes coloridos e cantou, bem baixinho, algumas músicas.

A apresentação de Chico dos Bonecos impressiona qualquer idade. Seu show é simples: ele, um microfone e, por vez ou outra, objetos. A partir do momento em que começa a falar, um encantamento toma conta dos presentes. Funcionários do Sesc surgiam de todos os lados para assistir, adolescentes se deixavam levar pelas histórias, avós largavam seus netos para cair na gargalhada. Por vezes eu não conseguia bater as fotos de tanto rir.

Dividido em três, o show de Chico dos Bonecos reservou o primeiro ato aos brinquedos invisíveis. Segundo ele próprio me disse depois do espetáculo, é para mostrar a importância das palavras, da imaginação. Com músicas e histórias, contou uma lenda de como teria sido criada a laranja.

A segunda parte foi dedicada à brincadeira dos jabolôs, um antigo brinquedo que consiste em equilibrar um objeto em um barbante amarrado a dois pedaços de pau (foto 1). Nessa parte, o que mais impressiona é a versatilidade do artista e a forma como ele monta os brinquedos a partir de quase qualquer coisa: uma cobra de caixa de chicletes, por exemplo. Essa mesma cobra se transforma em cachorro, em jacaré, em livros voadores...

Para finalizar, o teatro de bonecos. São duas historietas de tons mais emotivos, na qual as personagens se comunicam através de sons como os da gaita.

O resumo dos três atos? Foi uma apresentação dinâmica do começo ao fim, que espantou o frio considerável que batia naquele espaço aberto.

Após o show, enquanto cantava Milton Nascimento, o mineiro Chico ia guardando seus objetos; e não tinha sossego. Uma quantidade considerável de crianças avançou para conversar com o artista e brincar com seus brinquedos. Ele, pacientemente, atendeu um por um.

Custos – nada (fui e voltei a pé)

Nota - 10

(Clique nas fotos para vê-las ampliadas. Todas as imagens desta matéria são propriedade exclusiva do Arte Free)

3 comentários:

Elaine disse...

Amei o blog de vocês!Idéia fantástica, as fotos, notas, agenda.Muito bom.
Coloquei vocês como sugestão de blog "relacionados" a arte, podem ver em

www.avenidacultural.com.br

Flávia Maia disse...

Mandaram Muito!!!
Uma dica a mais:
Todos os dias tem 3 filmes de graça no Centro Cultural Vergueiro. Cada semana um tema diferente! A ultima foi sobre Cinema Catalão...
Valeu! Beijos Flá

Anderson Lins disse...

O chico dos Bonecos é o camarada mais inteligente do Brasil, que eu já vi. É, também, o melhor cantor, ator e jogador de diabolô. Portanto, peço uma salva de "dedos" para este menino realmente curioso.
Um abração do Anderson Lins