20.7.06

Sesi Jazz & Blues (Pau Brasil) – Sesi – 18/07/06

“E o forró vai virar jazz”

Parecia uma festa de cinco amigos para muitos convidados. Como se fossem donos da casa, os integrantes da banda Pau Brasil entraram sossegadamente no palco e assumiram suas posições.

Com sorrisos despreocupados, tocaram a primeira música, Jongo, e o público caiu para trás. A qualidade sonora do grupo é fora de padrões de comparação, e a leveza e facilidade com que tocavam dava ao show um toque mágico. Ninguém entendia como. A receita, porém, é simples: basta misturar num caldeirão Nélson Ayres, Paulo Belinatti, Teco Cardoso, Rodolfo Stroeter e Ricardo Mosca e acrescentar uma amizade de anos.

O som que fazem, que eles próprios classificaram durante o show como sendo um jazz com baião, é de fazer inveja a fanáticos por música em qualquer canto do planeta. Falam sem dizer palavra, e até o baterista, em seu solo, conseguiu tocar a melodia da música em questão somente com bumbos, caixas e pratos.

Divertiam-se todos no teatro; músicos e platéia. Extremamente engraçados, os integrantes do Pau Brasil encenavam e brincavam no meio das músicas, e Teco Cardoso, o mais engraçado da turma, fazia o público rir em vários momentos com suas caretas e gestos.

Baioneta, composição de Paulo Belinatti que mistura vários estilos sonoros e tendências distintas, foi a apoteose humorística da noite. Os instrumentistas falavam entre si pelos pequenos trechos de músicas famosas que tocavam, como o da Pantera Cor-de-Rosa e o de Day Tripper. Nelson Ayres perguntava com o hino brasileiro e ele próprio respondia. O hino americano.

Não há como eleger nenhum destaque para este show. Segundo o próprio Nélson Ayres me falou após o espetáculo, é uma banda, e não apenas músicos juntos. Porém, se for para lembrar de apenas um momento que ficou marcado, não há como não falar do solo magistral do baterista Ricardo Mosca apenas com pratos e ximbau, que, ao final do show, levantou para agradecer aos aplausos sem parar de tocar a bateria.

Pela primeira vez no Festival Jazz & Blues, todas as pessoas presentes no teatro respeitaram a banda, e não havia ninguém querendo aparecer gritando palavrões ou besteiras nos intervalos de músicas. O teatro não estava lotado, e quem lá se encontrava assistiu a um show que seguiu impecável de ponta a ponta.

Fecharam-se as cortinas e ninguém saiu do lugar. Todos pediam bis, e as cortinas foram reabertas. Os músicos voltaram ao palco para explicar que não poderiam tocar mais, pois o palco seria preparado então para a próxima apresentação do dia, de Zimbo Trio.

Nota – 10

Custos – Nada (fui a pé)

Banda –Rodolfo Stroeter – contrabaixo
Paulo Belinatti – violão
Nelson Ayres – piano/teclado
Teco Cardoso – flautas e saxofone
Ricardo Mosca – bateria

Set list –1.Jongo – 2.Baião do sapateiro – 3.Ciranda – 4.Bachianas nº5 – 5.Baioneta – 6.Pulo do gato – 7.Fogo no baile

Um comentário:

julia gorla disse...

O show do pau-Brasil foi biscoito fino ( com perdão de direitos autorais).
Meus filhos adolescentes amaram o som que eles fazem e a vida cultural de São Paulo continua efervescente com o que há de melhor no mundo da música instrumental. Logo após o show de Pau-Brasil tb assistimos ao da turma do Zimbo ....desnecessário dizer que ver os caras que eram a referência de boa música da geração de meu pai na ativa , ágeis como garotos é outro show... a parte.